Ladeira da Memória


O mais antigo monumento de São Paulo, o Obelisco do Piques, fica no Largo da Memória, localizado no início da rua Sete de Abril. Inaugurado em 1814, foi restaurado em 2005 ,mantendo suas características originais.

Esquinas

Chegando da Ladeira da Memória, andando alguns passos, desembocamos numa esquina muito linda, formada pelo antigo prédio da São Paulo Tramway, Light and Power Company, mais conhecida como Light São Paulo, uma empresa de capital privado canadense,estabelecida em São Paulo, que gerava e distribuía energia elétrica e atuava no transporte público por bondes. Hoje é o Shopping Light.

Em frente, fica o prédio da sede antiga da Votorantim, tombado pelo Patrimônio Histórico. A empresa Votorantim começou com uma tecelagem, em 1918. Expandiu seus negócios para cimento e alumínio, e depois para siderurgia, agroindústria e celulose. Esta antiga sede do grupo foi vendida para o Governo do Estado de São Paulo em 2012.

Teatro Municipal, palco de inúmeros espetáculos de balé, óperas e do lado

de fora, coral de crianças na época do Natal. Pessoas assistindo a essa apresentação, com seus celulares, costas coloridas e cabelões, cobriam o grupo cantante. Incentivos fiscais e investimentos de barões do café, patrocinaram a construção do prédio, cujos arquitetos foram Ramos de Azevedo e dois arquitetos italianos .

À direita, podemos ver o antigo prédio do Mappin. Foi esta grande loja que introduziu o conceito das lojas de departamento no Brasil. Hoje o prédio abriga as “Casas Bahia”.

R. Barão de Itapetininga, 93

As lembranças podem ser antigas, como as que aparecem para mim, ao ver o prédio onde meu pai trabalhou, na Barão de Itapetininga, 93. Ele tinha um bloquinho de anotações, onde escrevia as coisas que a gente pedia : agenda, lápis, transferidor. À noite, ele nos trazia as encomendas, e virava a folha do bloquinho: missão cumprida! Essas lembranças antigas só aparecem quando situações novas nos remetem a elas. O presente chama o passado! Eu só me lembrei dessas coisas, porque tenho ido à Barão, e passo em frente ao prédio, que continua bonito, como era, mas está bem gasto. Uma folha de vidro foi quebrada por blackblocks, durante uma das passeatas.

Fui andando, apreciando tudo. Adoro a “cidade”, acho tudo lindo, apesar de sujo, meio quebrado, pichado. Os prédios antigos, ao lado de outros medonhamente restaurados, portões de enrolar grafitados, tudo mais ou menos acabado. Não sei, mas vejo algo agradável…

Tem gente à beça, andando de lá para cá. A maioria jovem, óbvio! Não sei exatamente que tipo de serviço existe nos prédios. Não sei se lojinhas, escritórios, salas de aula. No térreo, as lojas são grandes: Kalunga, Livraria Saraiva, Drogaria Onofre.

Só sei que, para mim, a Barão continua sempre charmosa, talvez por meu olhar atual ser ligado ao que fica lá dentro, no fundo da minha cabeça!

Não gosto da sujeira encardida, do cheiro forte, dos buracos no calçadão, da pobreza que perambula por lá, mas isso não é ela, são só seus acompanhantes, que estão sempre ali, cercando e observando esta dama na sua vidinha do dia a dia.

Uma carrocinha, carregada de papelão é guardada por um cachorro bravo, bem pequenininho ,que dorme tranquilamente embaixo da placa ” Cuidado Cão Bravo”. Não sei se é verdade ou não: talvez o dono considere este companheiro alguém que o guarda, o protege, faz companhia . De qualquer forma , tirei a foto de longe.

De repente uma gritaria, um berreiro e uma roda de pessoas cercando… um evento! Dois rapazes, travestidos de moças , pobres. Estavam usando vestidos, leggings com blusas decotadas e colares coloridos. Mas não eram mulheres. Não usavam sapato de salto, e até estavam descalços ou usando tênis. Um usava barba.

Estavam brigando com um velho, com uma barba muito comprida, que também berrava, com uma bíblia na mão. Um tremendo bate-boca : realmente, só poderia ser um pastor evangélico contra dois pecadores. A roda que cercava os espectadores, vibrava a cada investida. Aos poucos, porém, as pessoas foram se dispersando, indo cada um para seu lado, para seus interesses , menos o pastor, que continuou defendendo a sua verdade. De toda essa cena, o que mais chocou foi a pobreza.

Dr. Consulta

No meio da rua, surge um prédio azul turquesa, como o olho de um Ciclope! Comércio moderno : cuida da saúde para quem não tem plano, nem saúde! O prédio é tão diferente do ambiente, que até dá um ar moderno na rua!

Cheguei finalmente ao Edifício Califórnia, do lado esquerdo de quem vai para à praça da República. O edifício foi projetado pelos arquitetos Oscar Niemeyer e Carlos Lemos . Logo vemos seus pilares em forma de “V” . No saguão há um portentoso mosaico de Portinari . A importância da arquitetura segura o ar meio abandonado da galeria . Há somente algumas lojas funcionando.

Ao lado, bem no vizinho, está localizada uma sala mágica, da professora Fátima., uma super professora de Português, que dá aulas, normalmente para “concurseiros”. A gente aprende a pensar , a entender como nossa língua mãe gosta de ser tratada!. Vou lá duas vezes por semana. Escrever bobagem, sem ter a menor noção, não dá!

turma-2Esta é a turminha, corajosa , a raspa de tacho, que foi à ultima aula do ano!

Sempre gostei da nossa cidade! E agora tenho o maior prazer de passar sempre por uma rua tão querida.

Ah! Ainda tem o cafezinho que eu tomo com a minha professora Fátima, no intervalo das aulas, coroado por chocolates da Kopenhagen ! Gente , é bom demais!

Compartilhe